Fuvest anula questão de matemática da primeira fase do vestibular


A Fuvest anunciou nesta sexta-feira (2) a anulação de uma questão de matemática da primeira fase do vestibular aplicado no dia 27 de novembro. Foi anulada a questão 62, do caderno de provas “V”, e suas correpondentes nos demais cadernos (K-05, Q-37, X-73 e Z-51) (veja a pergunta anulada ao lado). A prova de primeira fase vai considerar, portanto, 89 questões. A lista dos convocados para a segunda fase será anunciada no dia 19 de dezembro.

Diz o enunciado: “Em um plano, é dado um polígono convexo de seis lados, cujas medidas dos ângulos internos, dispostas em ordem crescente, formam uma progressão aritmética. A medida do maior ângulo é igual a 11 vezes a medida do menor. A soma das medidas dos quatro menores ângulos internos desse polígono, em graus, é igual a: a) 315; b) 320; c) 325; d) 330; e) 335. A Fuvest considerou como correta a alternativa “b”.

“A primeira linha fala que o polígono é convexo. Se calculasse chegaria a um polígono que não é convexo contrariando o enunciado”, disse o professor Seno durante o chat ao vivo promovido pelo G1.

Glenn Van Amson, professor de matemática do Anglo, também aponta erro na questão número 62 da prova V, sobre geometria plana.

Fonte G1

Para ele, há um grave erro conceitual no enunciado e não há como a banca considerar o exercício. “Não existe polígono nas condições em que é apresentado e fica sem nexo. Não há resultado.” Amson defende que a questão seja cancelada para que não haja prejuízo aos candidatos.

A Fuvest também analisou questões de física e português contestadas por professores de cursinhos, mas não anulou nenhuma questão. Duas questões de física também foram apontadas como problemáticas pelo professor José Carlos Garcia, do Objetivo. Segundo ele, a questão 81 apresenta uma fórmula errada ao candidato. “Se o candidato usar a fórmula apresentada pelo enunciado ele chegará à resposta oferecida por uma das alternativas, o problema é que a grandeza física está errada”, avalia Garcia. O gabarito oficial considera como correta a alternativa “d”.

A questão 89, por outro lado, tem duas alternativas corretas: “a” e “e”. “O enunciado dá margem a duas alternativas que estão na prova”, diz o professor do Objetivo. O gabarito oficial dá como correta a altenativa “a”. “A Fuvest tem soberania para reconhecer o problema”, diz Garcia. Na avaliação dele, a Fuvest poderia anular a questão ou aceitar as duas respostas como corretas.

Fonte: http://g1.globo.com/vestibular-e-educacao/noticia/2011/12/fuvest-anula-questao-de-matematica-da-primeira-fase-do-vestibular.html

Natal solidário


O natal é um momento simbólico muito importante, principalmente, para as crianças, que se alegram com a magia dos enfeites e a entrega de presentes. Infelizmente, milhares de crianças não têm essa realidade.

Nós, alunos do Colégio Universitas, nos preparamos durante o 4º bimestre, sob o comando da Professora Gisele, para presentear algumas crianças que passam por essa situação. Em grupos ou individualmente, “adotamos” os pequenos que integram a Creche Nayla – Amor à Vida e montamos a famosa “sacola de natal”, com roupas, brinquedos e outros acessórios.

Para a entrega dos presentes, realizaremos uma tradicional festa, que esse ano acontecerá na própria escola, dia 2/12, sexta-feira, com muita alegria e diversão para animar o natal dessas crianças.

Gostaríamos, agora, de convidá-los a conhecer a história da Creche Nayla, localizada em São Vicente. Para isso, indicamos o site da creche, que, entre outras informações, dá instruções sobre como ajudar a creche, o que é muito importante.

O link é: http://amoravida.org.br/principal.asp

Lembrando que um ato de solidariedade pode ser pequeno para quem o pratica, mas enorme para quem recebe.

“O natal dos sonhos é aquele que você idealiza no espírito, sente no coração e partilha na solidariedade!”

Gislaine Schineider

Aulas Complementares


Alunos do terceiro, lembramos a todos que as aulas complementares e de aprofundamento continuarão até o fim da próxima semana. Os temas estabelecidos e os horários estão disponíveis nos murais da escola.

3º Zuckerberg.

 

Fuvest pode anular questões de português, matemática e física do vestibular 2012


A Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular) pode anular questões de português, matemática e física do vestibular realizado no último domingo (27), informou a instituição nesta terça-feira (29). Não foram divulgados quais itens estão em análise. Professores ouvidos pelo UOL Vestibular identificaram problemas de formulação em pelo menos três perguntas da prova.

Segundo a organização da prova, duas bancas estão avaliando os itens problemáticos e emitirão pareceres independentes, mas não há prazo para conclusão. Essas mesmas bancas vão decidir o que fazer, caso haja anulação: dar a pontuação a todos os candidatos ou diminuir o número de itens corrigidos.

Questão de matemática “impossível”

Professores de cursinhos ouvidos pelo UOL Vestibular no domingo afirmam que a prova de matemática da Fuvest teve uma questão impossível de ser resolvida, por fornecer dados errados que prejudicavam a resposta: a 62 da prova V (e suas correspondentes), sobre um polígono convexo de seis lados.

“Se você usar essa informação [a de que formava um polígono convexo de seis lados], acaba chegando em meia dúzia de ângulos que invalida a informação de que o polígono é convexo”, afirma Gregório Krikorian, do Objetivo. “Deve ser anulada, não tem como consertar. Não faz sentido o texto”, diz Glenn van Amson, do Anglo. “O duro é o candidato preocupado. Ele vai achar que errou conta, que entendeu errado. Essa questão atrapalha o candidato bom”, acredita Edmison Motta, do Etapa.

Em física, há mais problemas. Uma delas é questão 81 da prova V (e suas correspondentes). Segundo Ricardo Helou, do Objetivo, a fórmula apresentada está errada. Além disso, na 89, um dos esquemas (o II) tornava duas alternativas de resposta possíveis.

Fonte: http://vestibular.uol.com.br/ultimas-noticias/2011/11/29/fuvest-pode-anular-questoes-de-portugues-matematica-e-fisica-do-vestibular-2012.jhtm

Graça Aranha


O futuro escritor e diplomata brasileiro nasceu em São Luís do Maranhão, no dia 21 de junho de 1868, batizado então como José Pereira da Graça Aranha. Sua família era próspera e culturalmente rica, o que propiciou ao autor intenso crescimento intelectual. Ele se graduou em Direito na Faculdade de Recife, onde teve como mestre ninguém menos que o filósofo, poeta, crítico e jurista brasileiro Tobias Barreto, o que o influenciaria profundamente.

Posteriormente ele assumiu os cargos de Juiz de Direito no Rio de Janeiro, ocupando depois a mesma função na cidade de Porto do Cachoeiro, no Espírito Santo, seguindo mais tarde a carreira diplomática. Neste município ele colheu os elementos necessários para criar sua obra-prima Canaã, um raro exemplar da literatura simbolista brasileira, lançado em 1902, alcançando grande sucesso na época.

Ele foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, tornando-se titular da cadeira número 38 mesmo sem ter ainda produzido nenhuma obra, pois revelara a Machado de Assis e Joaquim Nabuco alguns trechos de seu primeiro livro, Canaã. Nela ele narra como se desenrola a existência em uma colônia de imigrantes europeus no Espírito Santo. Os protagonistas, Milkau e Lentz, representam duas visões opostas sobre a nova terra em que se encontram.

Milkau acredita que alcançou a ‘terra prometida’, ou melhor, Canaã, o paraíso oferecido por Deus ao patriarca Abraão, história presente no Antigo Testamento. Já Lentz crê na superioridade da raça ariana, alimentando um racismo e um preconceito inconcebíveis, não conseguindo se adaptar ao novo contexto. Para este personagem, os mestiços que habitam o país são preguiçosos e ociosos.

Detentor de grande prestígio nos meios intelectuais, de uma seriedade ímpar, respaldada por sua atuação na criação da Academia Brasileira de Letras, que tentava conferir à literatura a unicidade então julgada necessária, não se estranha sua adesão ao Modernismo ter causado tanto impacto naquela época. De repente, o escritor conservador transforma seus pontos de vista literários e rompe com os padrões convencionais.

Suas influências provêm de origens distintas, tanto no campo filosófico quanto na esfera cultural. Por sua atuação na diplomacia ele tem a oportunidade de percorrer diversos países da Europa, nos quais se atualiza artisticamente, entrando em contato com correntes pós-simbolistas que então despertavam no continente europeu. Assim, ao retornar para o Brasil, ele traz consigo estes novos ideais e procura inseri-los na literatura brasileira.

Em 1922, Graça Aranha participa da Semana de Arte Moderna com um discurso de apresentação no Teatro Municipal de São Paulo, empreendendo uma contundente crítica às instituições que tentavam ditar as regras estéticas, decidindo o que era de bom gosto e de bom senso. Em 1924 ele não hesita em realizar na própria Academia de Letras uma palestra, intitulada ‘O Espírito Moderno’, que marca sua ruptura definitiva, na qual afirma ser este estabelecimento um equívoco, pois não consegue absorver as mudanças. O autor morre na cidade do Rio de Janeiro, no dia 26 de janeiro de 1931.

Além de Canaã, sua criação de maior valor, ele publicou: Malazarte, de 1911; A Estética da Vida, de 1921; Espírito Moderno, de 1925; Futurismo (manifesto de Marinetti e seus companheiros), de1926; A Viagem Maravilhosa, de1929; e O Manifesto dos Mundos Sociais, de 1935.

Cidades do Norte têm 20 anos de atraso sobre as do Sudeste, diz Firjan


Quando o assunto é qualidade de vida, a diferença entre as cidades mais pobres e as mais ricas do país está diminuindo, aponta uma pesquisa divulgada neste sábado (5) pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). Mesmo assim, os municípios do Norte ainda têm 20 anos de atraso em relação aos do Sudeste.

O melhor município do país, segundo o levantamento, é Barueri, na Grande São Paulo. Na cidade, há vários condomínios de luxo, que puxam o índice de desenvolvimento para cima. O último da lista é São Félix das Balsas, no Maranhão.

De acordo com o estudo, que leva em conta dados oficiais de 2009, um em cada sete em cada dez municípios do país avançaram em relação ao levantamento anterior. O estudo começou em 2008, comparando os anos de 2005 e 2000.

Do total, 63% das cidades do país foram consideradas como desenvolvimento moderado ou alto.

O índice varia de 0 (mínimo) a 1 (máximo) para classificar o nível de cada localidade. Os critérios de análise estabelecem quatro categorias: baixo (de 0 a 0,4), regular (0,4001 a 0,6), moderado (de 0,6001 a 0,8) e alto (0,8001 a 1) desenvolvimento.

A expectativa é que só em 2037 os municípios do país garantam à população brasileira atendimento básico de saúde, ensino fundamental de qualidade e maior inserção no mercado formal de trabalho, diz a pesquisa.

Concentração
A concentração, contudo, continua. Das 15 melhores cidades em qualidade de vida, 14 estão em São Paulo. E pela primeira vez apareceu na lista um município do Centro-oeste, Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso.

“Há realmente um fortalecimento, uma consolidação, do Centro-oeste como um grande novo Sudeste. Esses municípios têm tido recentemente um grande aumento de renda e geração de emprego, o que, na verdade, explica grande parte deste resultado”, diz Luciana de Sá, coordenadora da pesquisa.

A cidade de Japeri, na Baixada Fluminense, teve a pior classificação no estado do Rio de Janeiro na pesquisa sobre desenvolvimento municipal.

O estudo transforma numa nota o que cada morador já sente no dia a dia, levando em conta itens fundamentais para a qualidade de vida, como educação, saúde, emprego e renda, qual a nota que cada cidade brasileira merece. Todos os 5.564 municípios brasileiros foram analisados no levantamento da Firjan.

Fonte: http://g1.globo.com/brasil/noticia/2011/11/cidades-do-norte-tem-20-anos-de-atraso-sobre-do-sudeste-diz-firjan.html

25 anos de Chernobyl


De todos os fatos que costumam mistificar as usinas nucleares os mais importantes foram a bomba atômica e mais recentemente o acidente nuclear da usina de Chernobyl, localizada na atual Ucrânia, a 120 km ao norte da cidade de Kiev.

Este acidente, considerado o maior acidente nuclear de todos os tempos, ocorreu em 26 de abril de 1986, no reator 4, durante um teste de rotina, onde várias regras de segurança foram desrespeitadas e a reação em cadeia atingiu níveis incontroláveis. O sistema de circulação de água do sistema primário, responsável pelo resfriamento do núcleo do reator, foi interrompido, gerando assim um superaquecimento do reator, que criou uma verdadeira bola de fogo dentro do edifício da planta, restultando em uma explosão de destruiu sua cobertura. Devemos lembrar que, diferente do que muitos pensam, esta explosão foi térmica e não nuclear.

O acidente de Chernobyl matou 31 pessoas instantaneamente, e provocou a evacuação de mais de 130.000 pessoas da região, em virtude da exposição à radiação. Depois do acidente surgiram vários casos de câncer, principalmente na glândula tireoide das crianças.

Chernobyl liberou para a atmosfera 400 vezes mais material radioativo do que a bomba atômica de Hiroshima. Ainda assim, liberou o equivalente a um milionésimo de todo o material radioativo liberado pelos testes nucleares realizados nas décadas de 50 e 60.

A cidade de Pripyat (que acomodava uma população de aproximadamente 45.000 pessoas, basicamente em função da usina nuclear) foi totalmente evacuada, e outra cidade, Slavutich, foi construída fora do perímetro da zona de exclusão para sediar essa população.

O governo russo, devido às barreiras políticas, procurou esconder o ocorrido da comunidade mundial, até que a radiação em altos níveis começou a ser detectada ao longo da Europa, principalmente na França, forçando-os a esclarecer os acontecimentos da usina nuclear de Chernobyl. Segue um trecho do pronunciamento do líder da União Soviética, na época do acidente:

“Boa tarde, meus camaradas. Todos vocês sabem que houve um inacreditável erro – o acidente na usina nuclear de Chernobyl. Ele afetou duramente o povo soviético, e chocou a comunidade internacional. Pela primeira vez, nós confrontamos a força real da energia nuclear, fora de controle.”

Mikhail Gorbachev

Hoje em dia as outras unidades da Central Nuclear de Chernobyl continuam em operação. Na unidade acidentada foi construído um “Sarcófago”, ou seja, um verdadeiro caixão de cimento construído por trabalhadores russos logo após o acidente para evitar a maior liberação de radiação para o meio ambiente. Esse Sarcófago previa constantes ajustes e reparos, que não vem ocorrendo.

Embora as usinas do Leste Europeu possuirem padrões de segurança, as unidades do tipo de Chernobyl não dispunham de envoltórios para contenção de radioatividade em situações de acidente, a exemplo de todas as usinas do ocidente.

Para ilustrar este fato, devemos exatamente citar outro acidente, ocorrido nos Estados Unidos, na usina nuclear de Three Mile Island, no estado da Pennsylvania, no ano de 1979.

Nesta planta, ocorreu o mesmo erro de Chernobyl. A grande diferença estava simplesmente no modelo da planta,  onde TMI possuia o chamada Envoltório de

Contenção, cúpulas de camadas de aço e cimento, para proteção tanto interna como externa. Foi exatamente esta barreira física que impediu que a radiação alcançasse o meio ambiente em altos níveis. Como a área do Envoltório de Contenção é restrita, nenhum operador foi afetado, e nenhuma pessoa morreu neste acidente, porém o núcleo do reator como em Chernobyl fundiu e continua inoperável até os dias de hoje.

As usinas brasileiras de Angra 1 e Angra 2 são projetadas de acordo com o modelo das usinas estadunidenses, onde é obrigatória a existência do envoltório de contenção. É muito comum encontrarmos pessoas sem nenhum conhecimento técnico relacionando as nossas usinas com o acidente de Chernobyl. Ou então encontramos pessoas com maior conhecimento, mas que por ideologias também procuram esquecer estes detalhes técnicos.

Além do acidente de Chernobyl, somente outro incidente foi reportado que resultou em morte: o acidente de Goiânia, com o Césio 137, que foi o segundo maior acidente nuclear do mundo. Novamente devemos mencionar que todos esses acidentes acima relacionados foram causados por imperícia humana, e que, por nenhuma vez, causado por deficiências materiais, como muitos alegam poder acontecer no Brasil

Alunos têm até as 17 horas deste sábado para sair da reitoria da USP


SÃO PAULO – Os estudantes que ocupam o prédio da reitoria da USP têm até as 17h de amanhã para deixar o local, na zona oeste de São Paulo. O prazo começou a valer a partir da notificação da liminar que determinou, ontem, a reintegração de posse do edifício. O documento foi levado nesta sexta-feira pelo oficial de Justiça Valdemir Maciel.

O mandado estabelece que a desocupação seja realizada sem violência e deve envolver a participação de representantes dos ocupantes e da reitoria. Caso seja ultrapassado o prazo de 24 horas para negociações, a juíza Simone Gomes Rodrigues Casoretti, da 9.ª Vara da Fazenda Pública Central, autorizou o uso da força policial.

Nenhum estudante aceitou receber em mãos a notificação judicial. Maciel tentou entregar o documento, mas um grupo de alunos e funcionários não o deixou entrar no prédio. Com os braços dados, os manifestantes fizeram um cordão de isolamento do portão da garagem, por onde cerca de 100 pessoas invadiram o edifício na madrugada de terça para quarta-feira.

Maciel, então, passou a ler o mandado em voz alta e declarou os alunos “oficialmente intimados” – embora o grupo do lado de fora do prédio tenha vaiado o oficial de Justiça e gritado: “O senhor não está intimando ninguém. Não há ocupantes aqui”.

Conciliação

O documento lido por Maciel também convoca representantes dos ocupantes para uma audiência de conciliação amanhã, às 10h, no Fórum Hely Lopes Meirelles, na região central. Os alunos não confirmaram presença no encontro.

Pouco antes da chegada do oficial de Justiça, representantes do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) e dos estudantes disseram, em entrevista, que as negociações iniciadas na manhã desta sexta com a reitoria não avançaram.

Na reunião, uma comissão de dirigentes da universidade propôs que os alunos deixassem o prédio para que fossem criados dois grupos de trabalho, com o objetivo de discutir a questão dos processos administrativos e os termos do convênio da USP com a Polícia Militar.

Os estudantes não concordaram com a oferta. Conforme decidiram na assembleia de ontem, eles só deixam a reitoria caso sejam cumpridos três “eixos políticos”: a saída da PM da universidade, a retirada dos processos contra alunos, funcionários e professores, e a revisão do convênio entre a reitoria e a secretaria estadual da Segurança Pública.

Rafael Alves, aluno de Letras e um dos ocupantes, afirmou que o reitor João Grandino Rodas será responsável pela agressão aos alunos, caso a PM seja chamada para liberar o prédio.

Em nota publicada no blog da ocupação, os estudantes dizem que “a reitoria não quis negociar”. “A negociação foi uma farsa somente para a reitoria fingir que está aberta ao diálogo.” Os alunos também reclamaram, via Twitter, que a universidade desligou a internet e a energia do prédio ocupado.

Hoje à noite os manifestantes prometem realizar uma festa “contra a repressão” na reitoria.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,alunos-tem-ate-as-17-horas-deste-sabado-para-sair-da-reitoria-da-usp,794594,0.htm

Homens atentos: fimose!


O pênis é composto por corpo e glande.

O corpo do pênis é a parte pendente do órgão, tendo na sua extremidade a glande, popularmente chamada de “cabeça” . O corpo do pênis contém os dois corpos cavernosos e o corpo esponjoso que envolve a uretra. Os corpos cavernoso e esponjoso são tecidos eréteis.

Na extremidade do pênis, o corpo esponjoso se dilata formando a glande na qual se encontra a extremidade final da uretra e o meato uretral (orifício uretral).

A pele envolve o pênis, sendo que, ao chegar perto da glande, ela se destaca e avança por sobre a glande, constituindo o prepúcio. O prepúcio é retrátil, ou seja, quando tracionado, expõe a glande. A incapacidade de expor a glande ao se tracionar o prepúcio é chamada de fimose.

A fimose é fisiológica (normal) em recém-nascidos, devido a aderências naturais entre o prepúcio e glande. Com o crescimento do pênis, ocorre uma separação natural entre o prepúcio e a glande.

Esse processo é ajudado por ereções que ocorrem ocasionalmente nas crianças maiores. Aos 3 anos de idade, 90% dos prepúcios podem ser retraídos e menos que 1% dos homens tem fimose aos 17 anos.

Como se trata

A separação entre a glande e o prepúcio deve ocorrer ao natural.

Tentativas de forçar o prepúcio nesta separação podem levar a pequenos traumatismos locais com formação de tecido cicatricial. Este tira a elasticidade do prepúcio levando à piora da fimose ou à formação de uma fimose secundária.

Em crianças maiores (4-5 anos), nas quais a fimose possa estar causando problemas de higiene, com conseqüente balano-postite (inflamação da glande e prepúcio), pode-se aplicar cremes com corticóides a fim de facilitar a tração do prepúcio.

Nos casos resistentes aos cremes, o tratamento cirúrgico está indicado.

Em muitos casos, o prepúcio é demasiadamente fechado sobre a glande interferindo no jato de urina. Uma espécie de “balão” se forma na ponta do pênis originado pelo prepúcio dilatado pela urina. A obstrução formada pode levar à infecção local como também à infecção urinária. A cirurgia – circuncisão – deve ser considerada nestes casos.

Circuncisão

A circuncisão, também chamada de postectomia, é a retirada do prepúcio que envolve a glande, deixando-a exposta. É realizada de rotina por algumas religiões (judeus e muçulmanos).

A indicação de circuncisão em recém-nascidos, visando prevenir câncer, doenças sexualmente transmissíveis, infecção urinária e balano-postite, é tema de controvérsia.

No caso de câncer peniano, verificou-se que somente 2% dos homens com carcinoma peniano haviam sido circuncizados por ocasião do nascimento.

Entretanto, sabe-se atualmente que não é a presença de prepúcio a origem da neoplasia, mas sim dos hábitos de higiene genital dos indivíduos.

Em 1989, a Academia Americana de Pediatria concluiu que:

“… A circuncisão em recém-nascidos tem potenciais benefícios médicos com vantagens, mas também com desvantagens e riscos”.

Estas conclusões foram reafirmadas recentemente. Além disso, cada caso deve ser individualizado e uma discussão com os pais deve ser efetuada.

A circuncisão apresenta uma média de 1,5 a 5% de complicações tais como:

sangramento,
infecção,
estreitamento de meato uretral,
retirada excessiva ou insuficiente do prepúcio,
assimetria prepucial.

Lesões graves de pênis pelo eletrocautério também foram relatadas.

Fonte: http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?511&-fimose

Unicamp divulga locais de prova para a primeira fase do vestibular 2012; consulte


A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) divulgou nesta sexta-feira (4)  a relação de locais de prova da primeira fase do processo seletivo para ingresso em 2012. A prova da primeira fase será aplicada no dia 13 de novembro e a segunda etapa acontece entre os dias 15 e 17 de janeiro de 2012.

Consulte aqui: http://www.comvest.unicamp.br/vest2012/F1/localf1.html

Provas

As provas serão no mesmo formato do ano passado. Na primeira fase, o exame terá duas partes: a redação, em que o candidato precisará produzir três textos de gêneros diversos, todos de execução obrigatória, e a parte de conhecimentos gerais, com 48 questões de múltipla escolha. Na segunda fase, realizada em três dias, todas as provas serão discursivas, sendo:

  • 1º dia – prova de língua portuguesa e de literaturas da língua portuguesa e prova de Matemática;
  • 2º dia – prova de ciências humanas e artes e prova de língua inglesa;
  • 3º dia – prova de ciências da natureza.

 

A Unicamp anunciou que voltará a utilizar as notas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) para compor a nota final do vestibular. A utilização da nota é opcional e pode acrescentar até 20% da nota da primeira fase.

A previsão é que a primeira chamada seja divulgada no dia 6 de fevereiro. A matrícula está marcada para o dia 9 do mesmo mês.

Concorrência

A instituição recebeu 61.500 inscrições para o vestibular 2012 da instituição, um recorde histórico. A última edição do vestibular da Unicamp teve 57.209 inscritos. Em 2010, foram 55.484 candidatos cadastrados. Estão em jogo 3.444 vagas em 66 cursos Unicamp e dois cursos da Famerp (Faculdade de Medicina e Enfermagem de São José do Rio Preto).

Medicina é o curso mais concorrido, o que acontece desde que a instituição desenvolveu vestibular próprio, com 114,4 candidatos por vaga. Em seguida, aparece o curso de arquitetura e urbanismo, com 82,03 c/v, e medicina na Famerp, com 68,56 c/v. Confira aqui a demanda para todos os cursos.

Veja os dez cursos mais concorridos do vestibular 2012 da Unicamp

Curso Concorrência
Medicina 114,4 c/v
Arquitetura e Urbanismo 82,03 c/v
Medicina na Famerp 68,56 c/v
Engenharia Civil 47,39 c/v
Comunicação Social e Midialogia 42,47 c/v
Engenharia Química – Integral 41,48 c/v
Ciências Biológicas – Integral 35,16 c/v
Engenharia de Produção 33,68 c/v
Geologia 30,9 c/v
Farmácia 23,95 c/v

Fonte: http://vestibular.uol.com.br/ultimas-noticias/2011/11/04/unicamp-divulga-locais-de-prova-para-a-primeira-fase-do-vestibular-2012-consulte.jhtm

%d blogueiros gostam disto: