Lixo Extraordinário – Grupo 5


Lixo Extraordinário é um documentário que foi filmado ao longo de dois anos (mais especificamente entre 2007 e 2009). Ele acompanha o trabalho do artista plástico Vik Muniz no Jardim Gramacho, no Rio de Janeiro. O Jardim Gramacho é um dos maiores aterros sanitários do planeta e recebe quantidades gigantes de lixo por dia; conseqüentemente esse fato foi capaz de atrair inúmeras pessoas, que não tendo mais opções e oportunidades dignas de um verdadeiro cidadão, são obrigados a viver daquilo que o lixo (materiais recicláveis) lhes fornece.

É justamente através do trabalho dessas pessoas no aterro que Vik consegue penetrar em suas vidas, mostrando que naquele lugar existe muito mais do que materiais descartados, já que por trás de tudo existem de fato pessoas, com suas histórias difíceis e comoventes. Com isso, a principal questão do documentário ganha uma faceta mais social, a partir do momento que as personagens começam a trabalhar com Vik e descobrem o poder transformador de passar algum tempo fora do Jardim Gramacho.

O documentário faz com que a questão de cidadania também seja abordada, pois a maneira que muitos deles vivem não pode ser considerada digna de verdadeiros cidadãos. Ser cidadão é ter direitos civis, políticos e sociais e como exemplo podem ser citados o direito a propriedade, a educação, ao trabalho, ao salário justo, a saúde, etc. Todos os trabalhadores, ou grande parte, não sabem ao menos o conceito de cidadania, e a partir disso também não têm a mínima noção de que o Estado tem que lhes fornecer esses direitos. Porém, estando consciente ou não, eles são capazes de realizar ações concretas e se organizam em sindicatos e reivindicações, fazendo com que assim o sonho de alcançar a cidadania não se torne cada vez mais utópico.

Como prova disso tudo, é possível citar algumas partes do documentário, onde os indivíduos não querem voltar a trabalhar no aterro, mostrando o desespero presente na ideia de que teriam que voltar a trabalhar no Jardim Gramacho, porém suas vidas já haviam sido marcadas para sempre através do trabalho artístico de Muniz, inclusive através do leilão de uma das obras feitas no local, cuja renda foi revertida para a Associação de Catadores do Jardim Gramacho. Assim, é importante ressaltar que mesmo que uma grande parcela dessas pessoas não tivesse noção daquilo que lhes é de direito, eles vivem de maneira digna, deixando evidente que mesmo que o Estado não forneça aquilo que o faça cidadão, é possível viver com dignidade e honestidade.

Anúncios

Publicado em 05/04/2011, em Sociologia e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: