Nazismo


De todas as ideologias racistas que surgiram no mundo, o Nazismo, talvez, seja a mais conhecida delas. O Nazismo surgiu na Alemanha, baseado em vários conceitos, um deles, talvez o mais importante, o Pangermanismo, movimento que influenciou a Alemanha do II Reich (Império Alemão/Deutsches Reich  1871-1918), que junto com o Império Austro-húngaro e o Império Turco-Otomano enfrentaram a Inglaterra, França e Rússia (mais tarde os EUA) na Primeira Guerra Mundial em busca de expansão e dominação alemã na Europa. Com a derrota na Guerra, o povo alemão sofreu duras imposições dos vencedores, principalmente da França. Este foi um dos grandes motivos para que o povo alemão permitisse a subida de Hitler ao poder. O Nazismo teve grande influência nas ações da Alemanha antes e durante a Segunda Guerra Mundial. E as ideias ambiciosas dos generais Nazistas foram as precursoras da Bomba Nuclear e dos Misseis Balísticos Intercontinentais (ICBM) desenvolvidos ao longo da Guerra Fria.
Existe um fato um tanto curioso no nome “Nazismo”. Nazismo é um palavra que é originada de outras 2 palavras alemãs: National Sozialistische, ou seja, Nacional Socialista. O fato curioso é que o Nazismo pregava contra o Socialismo de Marx. Para os Nazistas, Marx, um judeu, se aproveitou da palavra “Socialista” em sua teoria Comunista, Hitler dizia que o termo “socialista” era uma palavra de origem alemã, correspondente a um modelo ideal de terras semicoletivas, semiprivadas que existia entre os antigos povos germânicos do 1º Reich (Sacrum Romanum Imperium/ Heiliges Römisches Reich    –  962/1806)
A ideia do nazismo surgiu na obra de Adolf Hitler chamada Mein Kampf (“Minha Luta”), onde Hitler analisa a situação do antigo Império Austro-húngaro, afinal, Hitler era Austríaco. Para ele, a diversidade étnica e linguística enfraqueceu o Império, e dizia que a democracia era uma força desestabilizadora, já que minorias étnicas poderiam assumir o poder, podendo desestabilizar e enfraquecer mais o império. Ele defendia a ditadura como forma de governo. Na teoria do Nazismo, a raça ariana é uma raça superior as outras. Nesta teoria, o Nazismo defende que uma nação é a máxima criação de uma raça, portanto, apenas raças superiores poderiam criar nações fortes. No caso, os alemães deveriam formar a nação mais poderosa de todas. Ainda dentro desta teoria, o Nazismo afirma que as raças superiores poderiam invadir as nações de raças inferiores para formar o seu “Espaço Vital” (Lebensraum).Existiam ainda as raças sem pátria, ou seja, raças parasitas. A Raça-Mestre, como era chamada as raças superiores, poderiam exterminar essas raças parasitas. Mas havia um problema nesta teoria. Se os alemães são superiores, como foram derrotados na Primeira Guerra? Primeiro, vamos analisar o contexto do final da primeira guerra. Em 1917 a Alemanha havia derrotado a Rússia, que se retira da guerra em meio à Revolução Socialista. Entretanto, o povo alemão também estava insatisfeito com a guerra que já durava tempo demais e havia consumido vidas demais enquanto a elite do país continuava vivendo de forma extravagante. Em 1918 tem início na Alemanha uma série de rebeliões populares, de trabalhadores e soldados, que, inspirados na Revolução Russa de 1917, pretendiam derrubar o governo e acabar com a guerra. Os movimentos mais fortes eram justamente os socialistas, organizados pelo grupo chamado de Spartakista ou Liga Spartacus, liderados por Rosa Luxemburgo que havia convivido com Lenin quando este morou na Alemanha. Quase simultaneamente, estouravam rebeliões de camponeses famintos no sul da Alemanha e na região da Bavária. Os comunistas quase tomaram o poder em janeiro de 1919. Entretanto durante todo o período 1917-1919 a situação da elite alemã era muito frágil, e a ameaça da insurreição era constante e a elite temia que uma revolução popular pudesse acontecer a qualquer momento.

Apesar da guerra no front ocidental estar tecnicamente empatada, a entrada dos Estados Unidos a favor da Inglaterra e da França em 1917, começava a mudar a guerra contra a Alemanha. A elite alemã toma uma decisão desesperada: aceita um acordo de paz desfavorável para não correr o risco de ver uma revolução comunista na Alemanha. A elite alemã literalmente traiu a Alemanha e, ignorando os milhões de alemães mortos na guerra, decidiu por um acordo de paz pouco favorável para continuar mandando no país. Afinal, para a elite alemã, pior que a derrota era perder seus preciosos bens, que a elite russa viu serem expropriados pela Revolução Russa de 1917. A elite alemã preferiu “perder os anéis” para “preservar os dedos”. A sensação que ficou para o povo alemão foi de traição. Na década de 1920 os Nazistas surgiram com força se opondo aos Comunistas, utilizando-se de discursos anticomunistas para conseguir doações dos banqueiros e industriais da Alemanha para suas campanhas eleitorais. Mas isso criou um problema. Como explicar como a Alemanha, criada por uma raça superior, perdeu a guerra e não culpar os banqueiros, que sustentam os Nazistas? Foi ai que surgiu a teoria de Hitler, argumentando que a Alemanha sofreu uma conspiração dos Judeus. Hitler cria uma maléfica e terrível conspiração judia de vários países que se uniram para derrotar a Alemanha. Com essa grande sacada, Hitler explica a derrota da Grande Guerra, encobre a traição dos banqueiros alemães e ainda consegue colocar a culpa nos Judeus e Comunistas. Dai surgiu uma das consequências mais graves da Segunda Grande Guerra:  o Holocausto. Quando Hitler sobe ao poder em 33, os Judeus que tinham condições econômicas saíram da Alemanha, mas a grande maioria não possuía estas condições e acabaram ficando. Em 33-34, começaram a caça aos “judeus comunistas”, possibilitando Hitler eliminar o partido de oposição, o Partido Comunista Alemão, prender e matar os líderes sindicais (a maioria comunistas) e criar uma ditadura. Em seguida, a “depuração” da sociedade alemã (como os nazistas denominavam este processo de limpeza étnica) continuou com prisões de judeus, enviados para trabalharem de forma forçada. Os Judeus que fugissem para os países vizinhos acabariam sendo capturados, já que a Alemanha os conquistaria provisoriamente na Segunda Grande Guerra. No final da Segunda Guerra, quando finalmente Hitler percebeu que a Alemanha estava sendo derrotado por povos que considerava “inferiores” (Americanos e Soviéticos), o Führer ordena que o povo alemão lute até o último homem, pois se não era forte o bastante para derrotar os “bárbaros” era melhor que fosse eliminado. Ao todo, a loucura da II Guerra Mundial ceifou cerca de 70 Milhões de vidas humanas. Mesmo com tamanha atrocidade causada pelo Nazismo, muitas pessoas aderiram as ideias do Nazismo e formaram um movimento chamado Neonazista. Os neonazistas negam ou minimizam o Holocausto da Segunda Guerra. Enquanto especialistas colocam as mortes na casa de 6 milhões de pessoas, os neonazistas ou negam que tenha ocorrido, ou diminuem o mesmo, afirmando que as mortes não passaram de 500 mil pessoas. Normalmente existem diversos grupos neonazistas, principalmente formados por jovens entre 16 e 25 anos de idade. O material destes grupos provém de sites na internet, tendo forte influência de grupos neonazistas alemães, ainda presentes. Mesmo a Alemanha tendo proibido qualquer atividade relacionada ao nazismo, estes grupos são mantidos por partidos de extrema direita, sediados na Europa e em outros países.
O aumento da quantidade de grupos neonazistas levou ao maior estudo dos mesmos, tanto profissionalmente por especialistas quanto de modo amador pela sociedade de um modo geral, ambos buscando explicações plausíveis para tal fenômeno. Das explicações encontradas, uma das mais aceitas e tida como razoavelmente plausível é: Os jovens procuram grupos neonazistas porque não encontram respostas para questões de ordem familiar, pessoal, social e até mesmo cívica.
Nos EUA, o crescimento vertiginoso do crime simultaneamente ao das imigrações ilegais e da forte difusão da cultura afro-americana e latina cria um sentimento de angústia e medo por parte da suposta “raça branca”. Os jovens brancos estadunidenses convivem com organizações que culpem essas minorias étnicas (latinos não brancos e afro-americanos) por tais problemas, e algumas dessas são movimentos neonazistas. Assim, explorando a vulnerabilidade juvenil, os movimentos neonazistas reúnem e trazem para a sua organização grande parte desses jovens. A própria proibição de propagação do nazismo na maioria dos países estimula os jovens que inicialmente não conheciam o nazismo a interessar-se nos movimentos, visto que é característica marcante dos jovens a busca da expressão de rebeldia e contestação.

Essa busca por culpados para os problemas rotineiros obviamente não levam o jovem extremista ao caminho do neonazismo. Enquanto os neonazistas culpam minorias étnicas e religiosas, outros grupos culpam, por exemplo, o grupo político que está no poder, podendo ingressar em grupos de radicais políticos.

O recrutamento de novos membros ocorre principalmente pela ferramenta mais popular atualmente, a internet. Apesar de inúmeros países terem leis que proíbam a divulgação da ideologia nazista, os sites se hospedam em países que permitem tal divulgação, dificultando a punição destes envolvidos. Nestes sites encontram-se materiais para divulgação dos movimentos neonazistas, informações de reuniões, artigos e textos de apoio à causa neonazista. Mesmo assim esses sites registram inúmeros acessos diariamente, estando principalmente em inglês, alemão e português, respectivamente. Existem muitas propagandas desses sites em outros sites alemães, aumentando mais ainda a divulgação do movimento neonazista.

Grupo 4 – Números: 6,8,20,23,24,43

 

Anúncios

Publicado em 18/09/2011, em Disciplinas, História, Sociologia e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: